Política

Temer sobre intervenção: ‘Não aceitaremos que matem o presente’

O presidente Michel Temer assinou às 13h30 desta sexta-feira a intervenção do governo federal na área de segurança do Rio de Janeiro. Ao lado do governador fluminense Luiz Fernando Pezão, o presidente afirmou que não tolera mais a violência no Estado e por isso convocou o Exército para intervir.

— Chega! Basta!. Nós não vamos aceitar que matem nosso presente nem continuem a assassinar o nosso futuro.

Temer anunciou como interventor o general Walter Souza Braga Netto, responsável pelo Comando Militar do Leste, que coordena as forças militares nos Estados de Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Ao justificar o decreto de intervenção, o primeiro desde a redemocratização, Temer afirmou que “as circunstâncias assim exigem”.

— O governo dará respostas duras, firmes e adotará todas as providências necessárias para enfrentar e derrotar o crime organizado e as quadrilhas. Não podemos aceitar passivamente a morte de inocentes. É intolerável
que nós estejamos enterrando pais de família, trabalhadores, policiais, jovens e crianças e vendo bairros inteiros sitiados, escolas sob a mira de fuzis e avenidas transformadas em trincheiras.

Pezão mostra apoio a intervenção e Exército

Após assinar o decreto em que abre mão de controlar a segurança do Estado que comanda, o governador Luiz Fernando Pezão afirmou que o Rio precisa de apoio para conseguir lidar com a violência.

— Quero registrar que o Rio de Janeiro tem pressa e urgência. Só com a Polícia Militar e a Polícia Civil nós não estamos conseguindo conter a guerra entre facções no nosso Estado.

Pezão agradeceu o apoio do Exército e diz que a integração é fundamental.

— A gente precisa de uma força maior para momentos extremos. Nós estamos vivenciando esse momento, nós precisamos muito dessa integração.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nome *
E-mail *
Site
Comentário *

Para comentar através do Facebook é preciso estar logado. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

Comente com o Facebook

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.