×

Publicidade

Polícia

PF cumpre 11 mandados de prisão em nova fase da Lava Jato

Autoridades também realizam 26 de busca e apreensão e 6 intimações. Houve bloqueio de contas e sequestro de bens

A PF (Polícia Federal) iniciou nesta quarta-feira (5) a operação Sem Limites, 57ª fase da Lava Jato, que investiga o pagamento de pelo menos US$ 31 milhões (o equivalente a quase R$ 120 milhões) em propinas para funcionários da Petrobras, entre 2009 e 2014.

Os pagamentos seriam realizados por grandes empresas do mercado de petróleo e derivados, conhecidas como tradings.

São 22 mandados de busca e apreensão e 10 de prisão preventiva no Rio de Janeiro (RJ), dois de busca e apreensão em Petrópolis (RJ), um de busca e apreensão e um de prisão em Niterói (RJ) e um de busca e apreensão em Curitiba (PR).

Continua após a Publicidade

As autoridades também expediram ordens de sequestro de imóveis, bloqueio de contas bancárias e valores até o limite dos prejuízos identificados até o momento.

As investigações apontam irregularidades na área de trading da Petrobras, onde são realizados os negócios de compra e venda de petróleo e derivados. Também há indícios de irregularidades na realização de negócios de locação de tanques de armazenagem da ou para a companhia pelas mesmas empresas investigadas.

Segundo a PF, o esquema existia desde meados de 2014 e não se sabe se ele continuava atuando até este ano. A área de trading é responsabilidade da Diretoria de Abastecimento, especificamente pela Gerência Executiva de Marketing e Comercialização. A PF diz que as ações não precisavam da autorização da diretoria, o que facilitava que o esquema continuasse.

A PF diz que as investigações indicam “a prática de crimes em duas modalidades de negócios da Petrobras que possuíam características semelhantes: os esquemas de corrupção na área de trading (compra e venda) de petróleo e derivados e os esquemas de corrupção na área de afretamento de navios”.

As operações aconteciam dentro da empresa para viabilizar o pagamento de propina a executivos.

A operação foi batiza de Sem Limites em referência “à transnacionalidade dos crimes praticados (que ocorrem em diversos locais no país e no exterior), à ausência de limites legais para as operações comerciais realizadas e a busca desenfreada e permanente por ganhos de todos os envolvidos, resultado sempre na depredação do patrimônio público”.

Os investigados responderão pelos crimes de corrupção, organização criminosa, crimes financeiros e lavagem de dinheiro.

Fonte:R7

Ver comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.