×

Publicidade

Entrevistas

“A educação do Maranhão avançou em todos os níveis e modalidades”, diz Felipe Camarão

O Quarto Poder conversou com Felipe Costa Camarão [Felipe Camarão], carioca, 36 anos, filho de um maranhense e uma carioca, o atual secretário de Estado da Educação do governo Flávio Dino, que comanda uma das pastas mais elogiadas pela classe estudantil e dos professores, mas, ao mesmo tempo, bastante criticada pela oposição ao governo comunista.

Camarão respondeu a perguntas sobre política, gestão pública e fez uma especie de reflexão sobre a sua atuação na Educação do Estado.

Continua após a Publicidade

QUEM É ELE? Felipe chegou ainda criança ao Maranhão, onde cresceu e se estabilizou. Formado em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), foi diretor do Procon/MA, em 2005. Foi aprovado, entre outros, nos concursos públicos para escrivão de policia civil, analista judiciário do TJ/MA e para procurador federal, cargo em que foi empossado, em 2007, no município de Imperatriz, onde chefiou o escritório de representação da Advocacia-Geral da União e foi procurador-chefe da Procuradoria Seccional Federal do município.

No final de 2008, foi nomeado procurador-chefe da Procuradoria Federal no Maranhão. Em 2011, reassumiu a direção do Procon/MA, cargo que ocupou por mais nove meses, até retornar para a Procuradoria Federal. Exerceu ainda o cargo de procurador-chefe da Procuradoria Federal Especializada junto ao INSS (PFE/INSS) e o de subprocurador-chefe da UFMA.

A convite do governador Flávio Dino, no dia 1º de Janeiro de 2015 assumiu a Secretaria de Estado da Gestão e Previdência, meses depois foi empossado secretário de Estado da Cultura. Contribuiu, também, com a implantação da Secretaria de Governo. É professor de Direito em cursos de pós- graduação e de graduação da UFMA e da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco (UNDB).

 O Quarto PoderPassados quatro anos do primeiro mandato do governador Flávio Dino, qual avaliação que o senhor faz da política pública estadual de Ensino do Maranhão?

Felipe Camarão – A educação do Maranhão avançou em todos os níveis e modalidades. Os indicadores educacionais divulgados pelo Ministério da Educação neste semestre apontaram que, pela primeira vez, ficamos acima da média do Nordeste. Em 2013, ocupávamos o 5º lugar no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. Hoje somos o 3º, atrás apenas de Pernambuco e Ceará. Também saltamos no ranking nacional, saindo de uma vergonhosa posição de 21º lugar em 2013, para 13º posição, em 2017, empatado com Brasília e Rio Grande do Sul, à frente de estados como Rio de Janeiro. Já no resultado do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), o Maranhão foi um dos estados que mais ganhou em aprendizagem no Ensino Médio entre 2015 e 2017, superando a média nacional. E São Luís é, hoje, a quinta capital brasileira no ranking do melhor ensino estadual.

Por que a oposição fala tanto que foram poucos avançamos na educação?

Há quatro anos o Maranhão amargava baixos indicadores educacionais e sempre decrescendo. Escolas de taipa ou estruturas inadequadas, analfabetismo, professores desmotivados, baixa aprendizagem dos estudantes e evasão escolar altíssima, resultados de anos e anos sem investimentos, de fato, em educação. É aí que surge o Programa Escola Digna, que vai além da substituição de escolas de taipa por alvenaria, com eixos que vão desde a gestão democrática das escolas, formação dos profissionais da educação, a educação integral, a valorização dos professores, entre outros. Em todos esses eixos o Maranhão deu um salto.

E o senhor acha que, historicamente, os governadores administram com critérios ou sem critérios?

Todo gestor deve priorizar uma política educacional contínua e de Estado, de forma que a educação seja sempre o vetor de desenvolvimento da sociedade. E foi exatamente isso que o governador Flávio Dino fez. Hoje o programa Escola Digna está consolidado como o maior programa de investimentos educacionais da história do Maranhão e está caminhando para ser o maior do país.

Falando sobre política, qual palavra define a reeleição do governador Flávio Dino? 

Compromisso. Compromisso com o povo do Maranhão, transformar a vida das pessoas, principalmente, daqueles que mais precisam e que antes eram esquecidos pelo poder público.

O que dizer ao povo maranhense nesse momento pós-eleições?

Continuaremos os investimentos na educação e, por determinação do Governador, avançaremos ainda mais na melhoria da qualidade da aprendizagem dos estudantes.

Qual a avaliação do seu trabalho em quatro  anos como secretário? É possível deixar um legado em apenas quatro anos? E qual seria exatamente esse legado?

O maior legado do governo Flávio Dino é a educação. É unanimidade em todo o estado que esta gestão foi a que mais investiu em educação, seja na valorização e respeito dos educadores, gestão democrática das escolas, protagonismo estudantil, melhoria da aprendizagem, apoio aos municípios, entre outras ações estruturantes. Esse é o maior legado, a maior obra de um governo que se importa em melhorar a vida das pessoas pela educação.

Quais projetos o senhor pretende apresentar na Educação na próxima gestão?

Conforme anunciado pelo Governador Flávio Dino durante a campanha, iremos ampliar escolas de tempo integral e fortalecer o regime de colaboração com os municípios em um pacto pela aprendizagem para apoiar as redes municipais de ensino.

Qual projeto que o senhor realizou nessa gestão que mais merece destaque?

Um avanço significativo para educação do Maranhão foi a implantação das Educação Integral que, mesmo sendo uma das metas dos Planos Estadual e Nacional de Educação, não era cumprida no Maranhão. Saímos de um centro experimental, em 2014, para mais de 40 escolas de tempo integral entre Centros de Ensino e os IEMAs. Para a implantação desse modelo, reformamos e adequamos as escolas, que tinham essa vocação, para funcionamento em tempo integral, com salas temáticas, laboratórios de ciências e informática, sala de jogos, espaço para prática esportiva, banheiros e armários para os estudantes, sala de professores, refeitório sala de descanso, biblioteca, sala de gestão e administrativo, e outros mais. Vale destacar que, segundo o Censo Escolar, os estudantes desse novo modelo de escola pública, que visa o desenvolvimento do aluno em todas as suas dimensões, já demonstram um excelente desempenho com boa taxa de aprovação e aprendizagem.

Sempre que se fala em sucessão do prefeito Edivaldo seu nome é lembrado. Pensa em concorrer ao cargo de prefeito de São Luís em 2020?

Ainda não é o tempo de tratar sobre esse assunto. Não penso nessa hipótese neste momento. Minha intenção é continuar ajudando o Governador Flávio Dino, trabalhando muito pela educação, e seguir implementando as ações do Escola Digna no segundo mandato, já que fui convidado pelo governador para continuar à frente da pasta.

Na esfera federal, como o senhor enxerga o futuro governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro?

O governo do Maranhão tem posição ideológica e política diferente daquelas defendidas pelo presidente eleito. Entretanto, no estado, seguiremos trabalhando cada vez mais por uma escola digna democrática e formadora de cidadãos livres e conscientes de seu papel como protagonista na transformação da sociedade.

Ver comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.