×

Publicidade

Brumadinho

Vale diz que laudos não apontavam risco de rompimento da Barragem de Brumadinho

'Laudos de estabilidade indicavam claramente que não existia risco iminente na barragem, que a barragem estava estável', disse gerente-executivo. Tragédia da Vale deixou pelo menos 165 pessoas mortas e 155 ainda estão desaparecidas.

A Vale rebateu nesta terça-feira (12) as informações de que laudos indicavam que havia risco de rompimento na Barragem de Brumadinho, na Grande Belo Horizonte. Em entrevista coletiva na sede da empresa, no Rio, executivos disseram que os relatórios não indicavam o risco iminente e a barragem estava “estável”. Até esta terça (12), 165 corpos já haviam sido encontrados e 155 pessoas ainda estavam desaparecidas.

“Tínhamos laudos de estabilidade que indicavam claramente que não existia risco iminente na barragem, que a barragem estava estável. Não teve nenhum sintoma de problemas e não teve subida de nível, então, automaticamente, você não teve qualquer indicação de ação necessária”, disse o gerente-executivo de Planejamento e Desenvolvimento de Ferrosos e Carvão, Lúcio Cavalli, que concedeu entrevista ao lado do diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores, Luciano Siani Pires.

Sobre a informação de que uma troca de e-mails indicou que Vale soube de problemas em sensores de Brumadinho, dois dias antes do rompimento de barragem, Luciano disse que ela também não procede.

Continua após a Publicidade

“Os técnicos verificaram que 46 medidores de água funcionaram corretamente. E que não encontraram aumento no número de água. O objeto da troca de e-mails foi que a visualização desses instrumentos que estão em campo nos computadores do sistema centralizado estavam apresentando incorreções”, explicou.

Relatórios

Segundo informações publicadas pela agência Reuters e confirmadas por fontes ligadas à investigação, dois relatórios da Vale, um de 2017 e outro de 2018, indicam que a mineradora sabia dos riscos de rompimento da barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho.

Documento interno da Vale de novembro de 2017 afirma que a barragem, já naquela época, tinha uma chance de colapso duas vezes maior que o nível máximo de risco individual tolerável.

Outro documento, de outubro de 2018, indicava que além de ter duas vezes mais chances de se romper do que nível máximo tolerado pela política de segurança da empresa, a barragem estava em uma “zona de atenção”.

Antes da entrevista coletiva, em nota, a Vale disse que não existe em nenhum relatório, laudo ou estudo conhecido, qualquer menção a risco de colapso iminente da barragem. Além disso, a mineradora diz que “a barragem possuía todos os certificados de estabilidade e seguranças nacionais e internacionais”. A nota da mineradora afirma também que a barragem “estava dentro do limite de risco”.

O acidente

A barragem se rompeu no início da tarde do dia 25 de janeiro. Um mar de lama devastou a região, arrastando casas, instalações da Vale, uma ponte, uma pousada e carros. Dos 165 corpos encontrados, 160 haviam sido identificados até a manhã desta terça. Outras 155 pessoas seguem desaparecidos, e os trabalhos de buscas dos bombeiros continuam.

Ver comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.