Balcão de negócios? Suspeita de compra de votos ronda eleição da Câmara de Bacabeira

Nas últimas semanas o município de Bacabeira vem sendo o centro das atenções do Maranhão. Pelas piores razões: denúncias de supostos atos de corrupção na Prefeitura e disputa pelo Poder na Câmara. Agora mais um escândalo ganha destaque na política bacabeirense: a eleição da Mesa Diretora do Legislativo para o biênio 2019/2020.

Segundo as informações que chegaram, anonimamente, à redação de O 4º PODER, o vereador Elias Teixeira Lima (Tchabal/PROS) que anda de olho na reeleição para presidência da Casa, resolveu antecipar o pleito e, estaria disposto a transformar a disputa em um verdadeiro balcão de negócios.

Expressão de Hilton Gonçalo mostra insatisfação Tchabal. Eis o desespero do chefe do legislativo com antecipação e suposta compra de voto na eleição da Câmara

Expressão de Hilton Gonçalo mostra insatisfação com Tchabal. Eis o desespero do chefe do legislativo com antecipação e suposta compra de voto na eleição da Câmara

É que Tchabal anda com um desejo irrefreável de assumir a Prefeitura e por conta disso passou a ser visto com desconfiança pela prefeita Fernanda Gonçalo (PMN). À revelia do grupo político e sabendo do alto desgaste que possui no momento, o chefe do legislativo começou a montar uma estrutura de campanha e a buscar votos para renovar o mandato por mais dois anos.

Para passar a falsa ideia de que não é influenciado pelo vice-presidente da Câmara, vereador Dino Neto (PPS), Tchabal tenta montar uma chapa tendo como novo candidato a vice, o vereador Ademir Castro (DEM). Para tirar Dino Neto do foco, ele ofereceu a vaga de secretário, mas já admitiu que não descarta a possibilidade tirar o popular socialista da Mesa Diretora.

Interlocutores revelaram ao O 4º PODER, na tarde desta terça-feira (15/05), que vereadores têm sido assediados e propostas nada republicanas se tornam cada vez mais frequentes. Segundo a denúncia, existe até promessas da divisão de sobras do duodécimo mensal com vereadores que o apoiarem a votação.

Não se sabe se algum vereador já aceitou vender o voto ou se essa já é uma prática comum naquela Casa. No entanto, extratos bancários que enviados à redação de O 4º PODER dentro de um envelope sem identificação do remetente, levantam suspeitas para indícios de mensalinhos. Na lista, vereadores aparecerem recebendo valores que variam entre R$ 1.502,13 (verbas até então desconhecida) e R$ 5.970,02 (que seria referente ao salário mensal).

A reportagem tomou conhecimento que além de parlamentares, a companheira do chefe do legislativo, identificada por Joice Mayara, também aparece no mesmo extrato, com pagamentos de até R$ 5.865,74, equivalentes ao salário de um vereador. Mas essa é outra história que iremos contar amanhã. Aguardem!

foto 01 (2)

Reportagem vai investigar extratos com suspeitas de mensalinho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nome *
E-mail *
Site
Comentário *

Para comentar através do Facebook é preciso estar logado. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

Comente com o Facebook

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.