Ex-Vasco, Mosquito vai parar na Argentina a convite do filho de Julio Grondona

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Ainda bem jovem, Thiago Rodrigues da Silva, o Mosquito, marcava gols desenfreadamente na base do Vasco e da Seleção Brasileira. O estilo goleador elevavam o status do jovem não só dentro de São Januário. Tanto que o atacante, em 2012, pedia um alto salário para renovar com o Cruz-Maltino e não deixar o clube formador de mãos vazias. Mas não renovou, deixou o Vasco pela porta dos fundos após brigas judiciais e agora, aos 21 anos, tem uma nova chance de recomeçar em um mercado nem tão tradicional para os jogadores brasileiros: o futebol argentino.

O jogador, que disputou o último Carioca pelo Boavista-RJ no início da temporada e estava sem clube desde então, assinou um contrato de dois anos com o Arsenal de Sarandí, da Primeira Divisão. A chance de defender o clube surgiu por meio de um convite de Humberto Grondona, técnico do Arsenal e filho do ex-presidente da Associação Argentina de Futebol (AFA), Julio Grondona, que morreu em 2014.

– A oportunidade de acertar com o Arsenal de Sarandí surgiu pelo fato do treinador da equipe me conhecer dos confrontos pela seleção de base. Ele era o treinador da seleção da Argentina quando nos enfrentamos. Houve o interesse de ambas as partes e acredito que isso facilitou bastante a minha vinda para cá – conta Mosquito.

 Natural do Rio de Janeiro, Mosquito começou a carreira nas divisões inferiores do Vasco. Em 2011, ganhou projeção ao marcar 12 gols e ser o craque da seleção brasileira no Sul-Americano sub-15. Em 2012, entrou em litígio com a direção do Cruz-Maltino e, após quase parar no São Paulo, acertou com o Atlético-PR. No entanto, após duas temporadas, se tornar profissional e não emplacar, acabou deixando o Furacão e retornando ao time de São Januário, em 2015.

Só que também recebeu poucas oportunidades no retorno ao Vasco e se transferiu para o Llagostera, da Segunda Divisão da Espanha. Por lá, também não conseguiu engrenar e, em meados de 2016, voltou ao Atlético-PR. Durante toda a segunda passagem pelo Furacão, sequer entrou em campo.

No início deste ano, chegou ao Boavista, do Rio. Sob o comando de Joel Santana, jogou em 14 partidas – entre Carioca e Copa do Brasil – e anotou dois gols pelo Verdão. Após o fim do estadual, ficou desempregado até acertar com o Arsenal de Sarandí. Na sexta-feira, inclusive, Mosquito fez a sua estreia pelo novo clube na derrota por 1 a 0 para o Colón, pelo Campeonato Argentino – entrou no segundo tempo e atuou por cerca de 10 minutos.

 Eu vim para cá com o objetivo de ter uma sequência de jogos. Vou procurar fazer um bom campeonato por esse clube que me recebeu super bem. Primeiramente, quero me firmar no futebol argentino. Acredito que, fazendo um bom campeonato, as portas vão se abrir naturalmente, vai depender muito do que eu fizer na competição juntamente com a minha equipe – disse o atacante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nome *
E-mail *
Site
Comentário *

Para comentar através do Facebook é preciso estar logado. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

Comente com o Facebook

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.