Filme sobre Freddie Mercury deve esconder polêmicas do cantor

Um dos lançamentos mais esperados do ano, o filme Bohemian Rhapsodycontará a história da banda Queen desde o surgimento até o show apoteótico que realizou no festival Live Aid, em 1985, em Londres.

Com Rami Malek no papel de Freddie Mercury, o projeto foi um dos mais conturbados do cinema atual. As interrupções na produção, mudança de elenco e até de direção fizeram com que o filme tivesse seguidos adiamentos antes de finalmente ficar pronto para chegar às telonas, em 2 de novembro deste ano.

No começo de tudo, em 2010, o ator escolhido para o papel do roqueiro era Sacha Baron Cohen, mas conhecido pelos filmes Borat e Bruno. Em 2013, ele explicou que deixou a produção por diferenças criativas.

E foi durante essa conversa com o radialista Howard Stern que ele deu a primeira pista sobre o estilo de filme que estavam fazendo. Segundo Cohen, a história seria mais focada na banda e não entraria em detalhes sobre a vida de Mercury, seus relacionamentos homoafetivos e o vício em drogas.

— Não deveria ter ficado tanto tempo envolvido, pois na primeira reunião, anos atrás, um dos membros da banda virou para mim e disse: “Este filme será ótimo, porque o que acontece no meio é excelente”. Perguntei o que seria e ele respondeu: “Freddie morre, ué”. Deduzi que seria como Pulp Fiction, em que o fim é o meio e o meio é o fim, mas ele disse: “Não, será normal”. Perguntei então o que teria na segunda metade da cinebiografia e ele explicou: “Você sabe, vamos mostrar como a banda seguiu em frente fazendo sucesso”. Aí eu falei: “Cara, ninguém vai querer ver um filme em que o protagonista morre de Aids no meio e a carreira de seu grupo continua”.

Apesar disso, Cohen resolveu aceitar o papel e, aos poucos, convencer a equipe a dar um tom mais passional ao longa. Ele esteve envolvido no filme durante quatro anos, quando finalmente desistiu do papel.

Mudanças foram a regra

As mudanças atingiram também a direção. Dexter Fletcher chegou a assinar contrato para dirigir o filme, mas desistiu da ideia em 2014 ao se desentender com o produtor Graham King. Para o lugar dele, foi chamado Bryan Singer. No entanto, o profissional teve seu nome envolvido nas denúncias de assédio sexual em Hollywood no fim de 2017 e também abandonou o filme, resultando no retorno de Fletcher, que finalizou as filmagens em fevereiro deste ano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nome *
E-mail *
Site
Comentário *

Para comentar através do Facebook é preciso estar logado. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

Comente com o Facebook

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.